Nostalgia de Mar


Nostalgia de mar

 

Os elementos da natureza nos conectam a um tempo maior que o cronológico: o tempo das pedras, o tempo das estrelas, o tempo dos rios, o tempo da terra, o tempo do mar. Ainda que estejamos já acostumados às metrópoles, ao concreto e à falta de horizonte, somos todavia enraizados ao chão, farfalhamos ao vento, carregamos o orvalho e o musgo. Ao conjurar essa natureza, é impossível não lembrar do poeta cuiabano Manoel de Barros, um pantaneiro apaixonado que, curiosamente, também escreveu abundantemente sobre seu encantamento com o mar – o ensejo para essa exposição. Assim nasce o recorte para este Viewing Room, a partir de um mergulho adentro do acervo da Simões de Assis, por entre temáticas de paisagem e reflexão, que encontra o mar como elemento recorrente em muitos trabalhos de suportes variados, de artistas de diferentes linguagens e gerações.

 

Esta exposição nos traz o horizonte à vista em um momento de isolamento e solidão, transportando-nos para outros lugares onde o oceano se impõe, domina, enche os olhos. Certas obras nos convidam à contemplação do encontro entre céu e mar: diante do grande campo de cor e luz de Sérgio Lucena, quase sentimos a brisa na pele; enquanto olhando o pequeno e sereno óleo de Miguel Bakun, podemos por pouco lembrar o cheiro da maresia. Nas pequenas telas de Yasmin Guimarães, ralas margens de cor flutuam entre uma figuração disforme e uma abstração paisagística. E as linhas de “O Mar Ático” de Gonçalo Ivo reduzem, na pureza da pintura, o limiar do firmamento, o sol, a areia, o oceano e o movimento de suas ondas.

 

Outros planos de céu e mar se configuram tridimensionalmente, como no objeto de Lais Myrrha, no qual uma pedra deitada, com seus veios líquidos, faz as vezes da água, enquanto uma fotografia impressa repousa perpendicularmente sobre ela, formando a linha do horizonte. Já Rodrigo Torres constrói uma topografia artificial em papel algodão, uma pequena ilha edificada sobre uma superfície azul – um fragmento insulado em um campo ampliado. Completam o conjunto as pedras e as rochas marítimas delicada e livremente costuradas por André Azevedo: de perto, aglomerados de linha colorida sem contorno; de longe, pequenas e vibrantes paisagens-arquipélagos.

 

Alguns trabalhos nos falam das profundezas das águas escuras e misteriosas que guardam a sopa primordial da existência. É ali onde habitam os seres estranhos de Rodrigo Bivar, criaturas desconhecidas das fendas marinhas, de onde também sai o insólito ser retratado por Antonio Malta Campos, cercado de breu e ambiguidade. Como um fóssil congelado no assoalho oceânico, entranham-se envelhecidas algas e primitivos crustáceos e moluscos na peça cerâmica de Juan Parada.

 

De volta à superfície ensolarada, à navegação e à pesca, temos a pintura de José Pancetti, de rara suspensão e sutileza em finas e rápidas camadas de tinta – são precisas poucas pinceladas para delinear as canoas na orla. A aquarela luminosa de Cícero Dias corporifica o vento nos coqueiros e retrata a chegada (ou seria a partida) da jangada. Há também uma tela de Burle Marx, de grandes dimensões, que carrega abstrações geométricas entre ondas e embarcações, emolduradas por campos de cor que configuram terra, céu e mar, marcadas por um sol vermelho de entardecer.

 

Na imensidão do mar aberto, encontramos a calmaria especular da água, numa deriva contemplativa e pacífica instaurada pela fotografia de Gustavo Espiridião, que parece ter sido tirada por um náufrago. Essa vista sem fim surge enquadrada nas colagens de Julia Kater, que também lança mão do suporte fotográfico, mas subverte a mídia em recortes e sobreposições que criam novas topografias na paisagem.

 

O remanso é brutalmente interrompido pela estrutura bélica fotografada por Romy Pocztaruk na costa da Inglaterra – a ruína de uma torre metálica que irrompe da água como um corpo estranho de outro tempo-espaço. Na obra de André Nacli, o desassossego surge quando a onda quebra e estronda em espuma e vapor, tão corpulenta quanto etérea. E o instante da rebentação é também capturado por Ayrson Heráclito, mas em contraste com um céu intensamente azul, e o corpo iluminado do personagem que ora parece emergir do oceano, ora parece tentar controlar a força da natureza.

 

Por fim, as esculturas de Emanoel Araújo invocam a presença de Iemanjá – orixá das águas salgadas, padroeira dos pescadores, rainha do mar –, celebrada nesta exposição que, mesmo ancorada no suporte virtual, lança-se como homenagem de saudade ao mar, para onde todas as águas correm; de onde a vida veio; e para onde, sempre, voltaremos.



09/04/2021 até 08/05/2021

- Online

Mais +
Menos -

“Um fim de mar
colore os horizontes.”

Manoel de Barros

ID: 10765
André Azevedo| Sem título, série Pequenas Paisagens, 2013
costura sobre algodão cru
15 x 10 cm (cada)
ID: 10174
André Nacli | Sem título, série Tempo Matéria, 2017
Fotografia impressa com pigmento mineral em papel algodqo rag 310g
75 x 75 cm (cada)
ID: 12758
Ayrson Heráclito | Vodun Agbê II, 2010
fotografia impressa com pigmentos minerais sobre Canson Rag Photographique 310 g/mõ
166 x 110 cm
ID: 12612
Antonio Malta Campos | Profundo, 2017
óleo sobre tela
230 x 360 cm (díptico)
ID: 6039
Cícero Dias | Praia da Piedade, década de 1930/40
óleo sobre tela
60,5 x 100 cm
ID: 12616
Gonçalo Ivo | O Mar Ártico, 2018
óleo sobre tela
200 x 200 cm

“Penso que têm nostalgia de mar
estas garças pantaneiras. 
Alguma coisa em azul e 
profundidade lhes foi arrancada.
Há uma sombra de dor em seus voos.
Assim, quando vão de regresso aos
seus ninhos, enchem de entardecer
os campos e os homens.” 


Manoel de Barros

ID: 13121
Emanuel Araujo | Iemanjá, 2021
madeira, tinta automotiva, bronze, conchas e miçangas
240 x 53 x 20 cm
ID: 13124
Emanuel Araujo | Sem título, 2021
madeira, tinta automotiva
120Ø x 18 cm
ID: 10660
Julia Kater | Sem título, série Ilhas, 2018
recorte de fotografia impressa em papel algodqo
75 x 50 cm (cada)
ID: 12441
Miguel Bakun | Sem título, 1946
óleo sobre eucatex
13,5 x 20 cm

“O azul me descortina
para o dia.
Durmo na beira da cor.”

Manoel de Barros

ID: 5905
José Pancetti | Marinha com Barcos, 1956
óleo sobre tela
38 x 55 cm
ID: 0086
Gustavo Speridião | Egeu, 2011
fotografia
100 x 80 cm
ID: 13048
Roberto Burle Marx | Sem Título
acrílica sobre panneaux
132,5 x 244,5 cm
ID: 1333
Rodrigo Torres | Geographic Misinformation System 16, 2015
impressão colorida, papel algodão, lápis

40 x 60 x 3,5 cm
ID: 11887
Juan Parada | Sem título, 2020
cerâmica vitrificada
35 x 23 x 10 cm
ID: 12973
Lais Myrrha | Quatro coordenadas topocêntricas e a construção de um possível horizonte breve, 2004/2016
fotografia e mármore calacata
45 x 30 x 30
ID: 11907
Rodrigo Bivar | Peixe e planta, 2019
óleo sobre tela
200 x 200 cm
ID: 11908
Rodrigo Bivar | Formas Marinhas, 2019/2020
óleo sobre tela
200 x 200 cm
ID: 0485
Romy Pocztaruk | Red Sand (I), 2013
fotografia digital impressa em papel algodão
100 x 85 cm
ID: 12500
Sergio Lucena | A transparência púrpura da distância, 2019
óleo sobre tela
200 x 150 cm

“Por que deixam um menino que é do mato
Amar tanto o mar?”

Manoel de Barros

ID: 11731
Yasmin Guimarães | Sem título, 2019
óleo sobre linho
100 x 145 cm
ID: 11740
Yasmin Guimarães | Sem título, 2020
óleo sobre linho
30 x 24 cm
X
ID: 1




“Um fim de mar
colore os horizontes.”

Manoel de Barros



X
ID: 10765
André Azevedo| Sem título, série Pequenas Paisagens, 2013
costura sobre algodão cru
15 x 10 cm (cada)



X
ID: 10174
André Nacli | Sem título, série Tempo Matéria, 2017
Fotografia impressa com pigmento mineral em papel algodqo rag 310g
75 x 75 cm (cada)

Ed. 1/5



X
ID: 12758
Ayrson Heráclito | Vodun Agbê II, 2010
fotografia impressa com pigmentos minerais sobre Canson Rag Photographique 310 g/mõ
166 x 110 cm



X
ID: 12612
Antonio Malta Campos | Profundo, 2017
óleo sobre tela
230 x 360 cm (díptico)



X
ID: 6039
Cícero Dias | Praia da Piedade, década de 1930/40
óleo sobre tela
60,5 x 100 cm



X
ID: 12616
Gonçalo Ivo | O Mar Ártico, 2018
óleo sobre tela
200 x 200 cm



X
ID: 2




“Penso que têm nostalgia de mar
estas garças pantaneiras. 
Alguma coisa em azul e 
profundidade lhes foi arrancada.
Há uma sombra de dor em seus voos.
Assim, quando vão de regresso aos
seus ninhos, enchem de entardecer
os campos e os homens.” 


Manoel de Barros



X
ID: 13121
Emanuel Araujo | Iemanjá, 2021
madeira, tinta automotiva, bronze, conchas e miçangas
240 x 53 x 20 cm



X
ID: 13124
Emanuel Araujo | Sem título, 2021
madeira, tinta automotiva
120Ø x 18 cm



X
ID: 10660
Julia Kater | Sem título, série Ilhas, 2018
recorte de fotografia impressa em papel algodqo
75 x 50 cm (cada)

Ed. 1/3



X
ID: 12441
Miguel Bakun | Sem título, 1946
óleo sobre eucatex
13,5 x 20 cm



X
ID: 3




“O azul me descortina
para o dia.
Durmo na beira da cor.”

Manoel de Barros



X
ID: 5905
José Pancetti | Marinha com Barcos, 1956
óleo sobre tela
38 x 55 cm



X
ID: 0086
Gustavo Speridião | Egeu, 2011
fotografia
100 x 80 cm

Ed:.4/5 + 2P.A.



X
ID: 4






X
ID: 13048
Roberto Burle Marx | Sem Título
acrílica sobre panneaux
132,5 x 244,5 cm



X
ID: 1333
Rodrigo Torres | Geographic Misinformation System 16, 2015
impressão colorida, papel algodão, lápis

40 x 60 x 3,5 cm



X
ID: 11887
Juan Parada | Sem título, 2020
cerâmica vitrificada
35 x 23 x 10 cm



X
ID: 12973
Lais Myrrha | Quatro coordenadas topocêntricas e a construção de um possível horizonte breve, 2004/2016
fotografia e mármore calacata
45 x 30 x 30



X
ID: 11907
Rodrigo Bivar | Peixe e planta, 2019
óleo sobre tela
200 x 200 cm



X
ID: 11908
Rodrigo Bivar | Formas Marinhas, 2019/2020
óleo sobre tela
200 x 200 cm



X
ID: 0485
Romy Pocztaruk | Red Sand (I), 2013
fotografia digital impressa em papel algodão
100 x 85 cm



X
ID: 12500
Sergio Lucena | A transparência púrpura da distância, 2019
óleo sobre tela
200 x 150 cm



X
ID: 5




“Por que deixam um menino que é do mato
Amar tanto o mar?”

Manoel de Barros



X
ID: 11731
Yasmin Guimarães | Sem título, 2019
óleo sobre linho
100 x 145 cm



X
ID: 11740
Yasmin Guimarães | Sem título, 2020
óleo sobre linho
30 x 24 cm



X


Para saber mais sobre esta obra de arte, forneça suas informações de contato.











São Paulo

rua sarandi 113 A jardins
01414-010 são paulo sp

+55 11 3062-8980

info@simoesdeassis.com


aberto com hora marcada

Para agendar uma visita, clique aqui.



Curitiba

al. carlos de carvalho 2173 A batel
80730-200 curitiba pr

+55 41 3232-2315

info@simoesdeassis.com


aberto com hora marcada

Para agendar uma visita, clique aqui.




Simões de Assis - Todos os direitos reservados 2020